depoimento pingo

DEPOIMENTO: “Pingo, o cão que não abria a boca”

Depoimento enviado pelo proprietário do Pingo e reproduzido na íntegra:

“Meu nome é Pingo, sou um cachorrinho de dois anos, sou filho de Pastor com uma vadia, e moro no litoral. Sou adotado de canil municipal com poucos dias de vida pela minha dona Carla e seu esposo José. Ninguém sabe ao certo se eu nasci com uma deficiência ou foi algum trauma que sofri; fato é que desde que vim para meu novo lar meus donos constataram que eu tinha uma abertura de menos de um centímetro e somente do lado esquerdo, o restante da boca era totalmente fechada.

Foi realizada uma imensa peregrinação atrás de Veterinários visando a descobrir uma solução para minha deficiência: Itanhaém, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Paulo. Muitos queriam meu sacrifício, mas meus donos nunca desistiram de mim. Perdi dois pedaços da língua em virtude de mastigá-la junto com os alimentos.

Minha ração era amornada com caldo de carne e colocada em cima de um banquinho baixo para facilitar minhas refeições e tomava água em uma torneira de jardim, entortada especialmente para mim, pois não conseguia liberar minha língua em concha para beber água. Na busca pela minha cura, tomei remédios que me tiraram os movimentos das quatro patas e não conseguia me locomover mais, somente com ajuda dos meus donos. Voltei andar e a correr após algumas injeções de cálcio.

No mês em que ia completar um ano de vida, surgiu a solução para a minha vida, um Médico: Dr. Daniel G. Ferro, o qual descobriu que eu tinha uma ponte óssea entre a maxila e a mandíbula e eu poderia ser submetido à cirurgia para minha felicidade. Eu fui operado pelo Dr. Daniel e hoje sou um cachorro normal, a abertura da minha boca é a de um cão normal, nem cicatrizes aparecem. Aprendi a beber água na vasilha, posso usar minha língua para beber água e para respirar direito, principalmente quando corro.

A minha vida foi transformada com a cirurgia, eu renasci, devo isto ao Dr. Daniel que não desistiu de mim e nem me discriminou por ser um srd. Eu e os meus donos jamais iremos esquecê-lo, desejamos que toda a dedicação e amor dele aos animais lhe seja retribuído com uma carreira brilhante.

Um grande abraço e uma mordida…de leve…de agradecimento, é claro!”

Pingo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *