Problemas odontológicos comuns em gatos

Listamos os problemas orais mais comuns nos pets felinos. Saiba mais para prevenir.

Você sabia que os gatinhos filhotes tem 26 dentes enquanto os gatos adultos tem 30?

Pois é, e se o seu gato tem mais de 3 anos é provável que ele já tenha algum problema odontológico. Cerca de 80% dos felinos nesta idade já apresentam algum sinal da doença periodontal. Mas, não se preocupe, estamos aqui para tirar as suas dúvidas e esclarecer um pouco mais sobre o assunto.

Comecemos pelo básico: Como identificar essas esses sinais?

É simples. Preste atenção em alguns pontos-chave: No comportamento do pet, no hálito, se há tártaro nos dentes, gengiva avermelhada, sangramento na gengiva, perda de peso ou de apetite.

Esses são sinais comuns de que algo não está bem na saúde do seu gato. Caso perceba atitudes diferentes ou algum comportamento estranho, leve seu pet a uma consulta odontológica o mais breve possível.

Confira a lista de doenças bucais mais comuns nos felinos:

  • Fraturas: Andar livremente fazendo peripécias pode ter o seu custo. Brigas, quedas e até maus tratos são responsáveis por dentes quebrados nos gatos. Quebrar um dente pode levar à mesma dor intensa de uma cárie avançada. Compare os dentes de seu gato e veja se está faltando um pedacinho (fratura). Muita atenção nesses casos, pois a fratura pode chegar no nervo do dente, e isso dói muito!. A recuperação do dente é possível por meio de tratamento do canal e restauração do dente. É também indicado em alguns casos fazer uma prótese para proteger o dente de novas fraturas.

Neste paciente felino, é possível visualizar, além da ausência de alguns incisivos, a fratura do canino superior do lado direito, que está menor, comparando-se com o canino do lado esquerdo.

  • Doença periodontal: É a doença que afeta a grande maioria dos gatos adultos. Começa com o acúmulo da placa bacteriana, formação de tártaro, inflamação da gengiva e, se não tratada, pode evoluir e levar à perda dos dentes. Infelizmente, os efeitos da doença não se limitam à boca. As bactérias da boca podem ir para a corrente sanguínea e causar problemas em outros órgãos.

 

Imagem da boca de paciente felino com doença periodontal inicial com acúmulo de tártaro e inflamação da gengiva, principalmente no dente 4º pré-molar superior direito (último dente visível à esquerda na parte de cima na imagem).

 

Imagem da boca de paciente felino com doença periodontal mais avançada. Há grande acúmulo de tártaro e inflamação da gengiva.

  • Reabsorção dentária (RD) ou Lesão reabsortiva dos felinos (LR): É como se fosse uma cárie para gatos, no sentido do dente ser destruído. A diferença é que na cárie são os ácidos produzidos por bactérias que destroem o dente e na reabsorção dentária é o próprio organismo que destrói (reabsorve) o dente. Casos de reabsorção geralmente levam a inflamação da gengiva e a dor! Muitos casos passam despercebidos e só podem ser diagnosticados por radiografia intraoral que deve ser realizada em todos os dentes durante o tratamento odontológico de todos pacientes.

Imagem do canino superior direito de um gato visto pela face que fica voltada para dentro da boca (céu da boca). Presença de um ponto de inflamação na gengiva e pequena cavidade (Reabsorção).

A radiografia deste dente canino revela que a raiz deste dente já foi quase toda destruída (reabsorvida) pelo organismo. Infelizmente, este dente não pode mais ser recuperado e a recomendação é que o dente deve ser extraído por causar inflamação e dor.

 

  • Complexo gengivo-estomatite dos felinos (CGEF): é um quadro de inflamação crônica que atinge a gengiva e a mucosa, principalmente da bochecha na região do fundo da boca. Geralmente, o histórico de gatos com CGEF é de ter dor, comer pouco ou gritar e sair correndo da comida ou parar de comer, mau hálito, baba fétida e em muitos casos, várias limpezas dentárias já foram feitas ou vários antibióticos e anti-inflamatórios já foram utilizados sem resolver o problema. Infelizmente a causa deste problema é ainda desconhecida, provavelmente relacionada à presença da placa bacteriana e a um quadro imunológico, o que torna difícil um tratamento que seja 100% eficaz. Muitos tratamentos têm sido indicados ao redor do mundo, mas o tratamento que tem o melhor índice de sucesso é a extração dos dentes. O uso de laser e células tronco têm sido usados de forma experimental com relativo sucesso.

Imagem da boca de paciente felino onde fica evidente a vermelhidão da gengiva e mucosa ao redor dos dentes e também na região da bochecha mais na região do fundo da boca caracterizando o quadro de gengivo-estomatite dos felinos (CGEF).

Imagem da cavidade oral de paciente felino com CGEF caracterizada por gengivite (inflamação da gengiva, cerca de 1 a 3 mm de tecido imediatamente ao redor dos dentes) e estomatite (inflamação das mucosas, tecido além da gengiva. Exemplos: mucosa da bochecha, mucosa da língua, mucosa do palato, etc.)

  • Fraturas no maxilar e mandíbula: Acidentes e eventualmente até brincadeiras podem dar errado e não é incomum encontrar pets com esse tipo de fratura. Um dos sinais mais comuns é notar que a boca está torta. Quando não tratadas podem resultar em maloclusão, infecções e outras complicações. O dentista veterinário é o melhor profissional para resolver situações como estas.

Imagem da cavidade oral de um paciente felino com fratura da mandíbula na região do queixo (sínfese) e está provocando desalinhamento dos dentes e a boca está torta. Este tipo de fratura é muito comum quando o gatinho cai de algum lugar alto.

Imagem do paciente felino após imobilização da fratura com resina. Nota-se também fratura do canino superior direito que terá o canal tratado posteriormente.

Imagem do paciente felino após retirada da imobilização com resina e tratamento de canal do canino superior direito. Nota-se o perfeito alinhamento dos dentes.

 

  • Tumores na cavidade oral: A cavidade oral é o quarto local onde mais aparecem tumores. O tumor mais comum na boca dos gatos é o carcinoma, que é um tumor maligno (câncer). Por isto, se notar alguma ferida na boca que não cicatriza em uma semana e está aumentando de tamanho, não deixe para depois. É necessário fazer uma biópsia para o diagnóstico definitivo. Lembre-se: qualquer aumento de volume na boca é suspeito, até que se prove o contrário.

    Imagem da boca de paciente felino onde se destaca um aumento de volume na gengiva e no lábio próximos ao canino superior direito. Indicado fazer biópsia para diagnóstico. Suspeita de ser um tumor.

     

  • Abscessos: Inchaços na face que aparecem da “noite para o dia” podem ser indicativos de abscesso, principalmente se forem na região do focinho e abaixo dos olhos. A causa dos abscessos pode estar relacionada à complicação de dentes quebrados ou também a doença periodontal grave.
  • Maloclusões: também conhecido com dentes tortos ou desalinhados. Em gatos, o problema de oclusão mais comum está relacionado ao mau posicionamento dos dentes caninos, que por serem dentes grandes e afiados podem causar trauma que levam a desconforto e dor. A raça persa é a que mais apresenta problemas de oclusão.

Imagem da boca de paciente felino vista de frente onde se pode visualizar que o canino superior do lado esquerdo do paciente está fora de posição sendo indicado colocar aparelho para correção.

Imagem da boca do mesmo paciente felino após retirada do aparelho onde é possível visualizar que o canino superior esquerdo do paciente está na posição correta.

Acima de tudo, não se esqueça da escovação e higiene diária. Essa é a melhor forma de prevenção a qualquer problema odontológico que seu pet possa ter.

E não se esqueça, caso o seu pet apresenta algum comportamento fora do normal, marque uma consulta clicando aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, podemos ajudar?
Powered by