Todas os posts na Categoria: Uncategorized

Dia do trabalho | Pets à serviço da humanidade

Neste dia do trabalhador conheça as principais profissões exercidas pelos pets a serviço da humanidade.

Mais que nossos companheiros do dia a dia, os pets também nos acompanham na rotina de trabalho. Conheça agora algumas das profissões exercidas pelos pets:

  • Assistentes emocionais: Alguns pets auxiliam seus tutores em suas jornadas e terapias. São acompanhantes que ajudam sempre que necessário e por isso são chamados de Assistentes Emocionais, sendo responsáveis por dar apoio e independência ao seu tutor. E estes bichinhos podem ser os mais diversos: porcos, pôneis, cachorros, gatos e, quem diria, até cangurus.
  • Bombeiros: Até hoje há coisas que a tecnologia não domina com maestria. Uma destas coisas é a detecção da presença de pessoas em desastres. Os pets bombeiros atuam na equipe de resgate farejando pessoas e até outros bichinhos em perigo. Eles conseguem ter acesso à locais que nós não conseguimos e avisar o resto da equipe de humanos onde ir. Os mais comuns nesta profissão são os furões e porcos-da-índia.
  • Guias: Não podemos esquecer dos cães guia que auxiliam um deficiente visual na sua locomoção e independência. São pets que identificam os riscos potenciais no ambiente ou percurso de seu tutor e os guiam, evitando acidentes.
  • Agricultores: Você diria que uma cabra pode ser uma auxiliar de agricultura fenomenal? Pois é, no Japão cabras são criadas em fazendas pois se alimentam de determinadas plantas como o kudzu, e assim impedem a sua proliferação. É um controle natural de ervas daninhas!
  • Cāes de guarda: vários estabelecimentos comerciais e empresas têm cāes guardas.
  • Cães policiais: ajudam não só no policiamento, mas também em situações especiais como é o caso dos cães farejadores.
  • Cães de guerra: é o nome que recebe os cães do exército, que tem funções de vigilância, mas também são treinados para situações de combate.
  • Cães de pastoreio: algumas raças sāo conhecidas por sua aptidão em pastorear rebanhos de gado ou ovelhas, substituindo muitas vezes com muito maior eficiência os cavalos e seus peões. Dentre estas raças se destacam os Border Collies e os Blue Heeler ou boiadeiro australiano.
  • Pombo correio: não poderíamos deixar de citar as aves, que não na atualidade, mas já serviram no passado no envio de mensagens, como foi o caso dos pombos correios.

Fica claro que os pets além de serem extremamente inteligentes, eles otimizam por completo o nosso dia a dia. Mas se você acha que as profissões acabam por aí, você se engana. Cada dia que passa mais profissões são criadas e tratamentos sāo potencializados só pela presença e auxílio de pets. Sem dúvidas, este mundo com a ajuda dos bichinhos é um lugar muito melhor.

Você tem um pet day no seu trabalho ou tem algum bichinho te ajudando na sua rotina ou ainda conhece uma outra profissão que não citamos? Conta para a gente nos comentários. E lembre-se, precisando de uma consulta com seu pet, entre em contato conosco por meio do e-mail: contato@odontovet.com.br

 

Leia mais

A importância da alimentação para a dentição dos coelhos.

Como os alimentos podem influenciar no crescimento e manutenção dos dentes de coelhos.

A dentição dos coelhos é única e peculiar de diversas formas.

Quando caem seus dentes de leite, os dentes dos coelhos passam a ser permanentes e crescer dia após dia. Por isso, você pode ter se deparado com coelhinhos com dentes bem grandes por aí.

O detalhe é que, sem um cuidado esse crescimento excessivo dos dentes, não é nada saudável para o pet. Por mês, é comum que cresçam aproximadamente 1 cm. Isso pode influenciar tanto no processo de mastigação quanto no peso ou em atividades corriqueiras do coelho.

Mas, a natureza é sábia e a dieta apropriada do coelho é perfeita para evitar o crescimento maior que o devido. A oferta de alimentos fibrosos, como o feno, capim e alguns tipos de ração, que não deve ser deixada à vontade, ajudam os dentes a se desgastar aos poucos, de forma natural e indolor.

Basicamente, com a alimentação correta, os dentes dos coelhos crescem e são desgastados na mesma proporção diariamente e seu coelhinho fica feliz e saudável.

Importante mencionar que, apesar da cenoura ser o alimento preferido do coelhinho de Hollywood, ela não deve ser oferecida ao seu pet. A melhor maneira de manter a saúde dos dentes do seu coelho é fornecendo opções de vegetação fibrosa, como: capim, feno, palha de milho verde, talo da cenoura, couve, entre outros. Claro, sem deixar de ofertar pequenas quantidades da ração recomendada pelo médico veterinário de sua confiança.19

Seu coelho tem alguma fibra favorita? Compartilhe conosco nos comentários o que seu coelho adora comer toda a hora. E caso tenha alguma dúvida ou necessite de uma consulta, entre em contato conosco.

 

Leia mais

Você sabe o que acontece se os dentes de leite do seu cão não cairem?

Assim como nós humanos, os cães possuem 2 dentições, os dentes de leite, que começam aparecer na boca dos filhotinhos por volta da terceira semana de vida. São aqueles dentinhos bem fininhos e pontudos que machucam bastante quando eles vem brincar de morder. Este dentes são substituídos pelos dentes permanentes normalmente à partir dos 4 meses de idade. Aos sete meses, todos os permanentes já nasceram e estão prontos para fazer arte pela casa.

É muito importante o tutor acompanhar a troca dos dentes decíduos (de leite) principalmente em cães de raças pequenas como spitz, yorkshire, poodles, shi-tzu, maltês, pincher, chiauaua. Nestas raças é muito frequente acontecer o que chamamos de persistência dos dentes decíduos que é quando o dente permanente erupciona e o dente de leite fica ali, firme e forte, junto ao novo dente.

O processo correto é o dente de leite cair antes da erupção do dente permanente. Isso acontece porque; dentro do osso, embaixo do dente de leite, a formação do dente permanente estimula a reabsorção da raiz do dente de leite e também o empurra. Quando o dente decíduo já não tem mais raiz, ele cai e o dente definitivo aparece. Por isso que as pessoas dizem que dente de leite não tem raiz! Inicialmente ele tinha, mas a mesma foi reabsorvida durante este processo de troca dentária.

Quando este processo normal não acontece e a raiz do dente de leite não é reabsorvida, o dente permanente acaba erupcionando ao lado do dente decíduo e nosso pequeno amigo fica com aquela “boca de tubarão” cheia de dentes que, acreditem, é desconfortável para ele!

Pelas leis da física, sabemos que dois “corpos” não conseguem ocupar o mesmo espaço. Desta forma, quando o dente de leite não cai, o dente permanente não consegue ocupar o seu lugar adequado podendo ficar mal posicionado causando um problema de oclusão, que só com aparelho conseguiremos resolver depois. Além disso, muitos dentes na boca causam maior acúmulo de placa bacteriana, facilitando a evolução da doença periodontal.

O que fazer então quando percebemos que os dentes permanente estão apontando e os dentes de leite ainda estão firmes?

Há muitos anos, quando digo muitos, mais de 25 anos, indicava-se esperar até um ano de idade para extrair os dentes de leite. Hoje sabe-se que esperar este tempo pode levar principalmente à problemas de má oclusão sérios (como dentes caninos ocluindo no céu da boca). Desta forma, hoje indica-se levar o pequeno dentuço ao dentista veterinário para que o mesmo extraia todos os dentes decíduos que ainda não caíram e que mostram determinados a ficar, firme e fortes. Claro que para fazer a extração, nosso pequeno deve ser submetido à anestesia geral inalatória, que é muito segura e confortável para ele. É importante, antes de fazer a extração, fazer a radiografia intra-oral (aquela com o filme dentro da boca como nós fazemos) para avaliar como está a raiz do dente decíduo. Muitas vezes, a mesma tem o mesmo tamanho ou é até maior do que a cora (aquela parte do dente que vemos na boca) do dente. E claro, a retirada do dente de leite deve ser feita por completo, coroa e raiz, para que problemas futuros não aconteçam. Quanto antes for feita a extração dos dentes decíduos melhor para o paciente mesmo que ele tenha apenas 5 meses de idade. O procedimento em si é mais rápido e sua recuperação também. Tem pequenos que, mesmo após terem extraídos vários dentinhos de leite, no mesmo dia querem pegar seus brinquedos! A prevenção é sempre a melhor opção!

[Michele Venturini para Blog Autenticão]
Leia mais

Alergias de Primavera nos Pets

E chegamos na Primavera! Essa estação do ano em que o clima fica mais quente, os dias ficam mais longos e as plantas renascem é inspiradora. Mas, é também a época onde surgem mais alergias, nos humanos e também nos pets!

Os pets podem sofrer com as variações climáticas que ainda ocorrem nesse período, mas a alergia mais comum é a reação ao pólen, que passa a ficar mais intenso no ar neste período do ano.

Os sintomas mais comuns apresentados pelos cães com reação alérgica são espirros e muita coceira, onde os pets passam a se lamber de forma excessiva, se esfregarem em paredes e no chão para aliviar a irritação. A coceira pode afetar partes sensíveis como focinho, orelhas e ao redor dos olhos. Uma das formas de diminuir os sintomas e controlar a alergia é aumentar a frequência dos banhos, além de limpar o pet constantemente com produtos adequados.  

Se seu pet apresentar mudanças no comportamento e sintomas mais graves, não hesite em levá-lo imediatamente ao médico veterinário, para que um diagnóstico exato possa ser feito e as causas da alergia possam ser investigadas à fundo.

Leia mais

O uso de pets na Zooterapia

Você provavelmente já ouviu falar de alguém que melhorou da depressão, aliviou sintomas de ansiedade ou crianças que melhoraram problemas comportamentais depois de se relacionarem com pets, né? Pois a utilização de animais para tratamento tem nome: Zooterapia.

A Zooterapia é uma metodologia milenar (estima-se que seu uso teve início por volta do século XVIII), psico-educativa, que utiliza pets como uma técnica de terapia assistida, servindo como estímulo para pessoas com variados tipos de doenças. Ela consiste em técnicas de reabilitação ou reeducação de alterações tanto físicas quanto psíquicas, sociais ou de comportamento. As mais comuns são: ansiedade, depressão, estresse, problemas de hipertensão, deficiências físicas.

Dentro da zooterapia é possível usar diversos pets como agentes de estímulo positivo.

Os pets mais comuns para a prática da zooterapia são os cachorros, mas há avanços com uso de coelhos, aves, gatos e diversos outros pets. O cavalo também é muito usado na zooterapia, principalmente com crianças que têm problemas como paralisia e síndrome de Down.

Aqui no Brasil, a prática da zooterapia já é utilizada em hospitais, inclusive pelo SUS, e em projetos independentes, especialmente com crianças e idosos. Apesar disso, a escassez de cursos de especialização no país, e por consequência a pouca quantidade de profissionais nessa área fazem com que seja um recurso ainda pouco explorado.

O mais importante, acima de tudo, é que os pets sejam constantemente acompanhados e estejam com a saúde em dia, inclusive a saúde bucal, que pode servir como um foco de infecção para os pacientes humanos.

 

*Atualizado em 28/5/2019

 

Leia mais

Entenda como é feito o cálculo da idade “humana” do seu pet

Até alguns anos atrás achava-se que, para descobrir a idade humana de um cachorro ou gato, bastava multiplicar o valor por 7. Mas isso é apenas um mito, e ultrapassado, pois a conta não é tão simples assim!

Durante o primeiro ano de vida de um cão seu desenvolvimento e amadurecimento é muito mais rápido do que o de uma criança humana, portanto, o correto é considerar que, com 1 ano, o cão tem o equivalente a mais ou menos 15 anos humanos!

Descobriu-se que outros fatores, como a raça do cão e seu porte físico, também influenciam diretamente na contagem da idade do pet. Cães menores vivem mais do que cães de grande porte, sabia? Ainda assim, cada raça dentro de cada porte amadurece e passa pelas fases da vida em tempos diferentes.

Um estudo realizado pela BBC do Reino Unido determinou uma forma que leva em conta diversas variáveis para se calcular corretamente a idade do seu cãozinho. Essas são as variáveis levadas em conta no cálculo:

  • Cada raça avança os anos e as fases da vida em velocidades diferentes.
  • Cada raça demora tempos diferentes em cada etapa da vida (filhote, juventude, vida adulta e velhice)
  • Os cachorros de raças pequenas tem juventudes curtas e longas vidas adultas (ou seja, amadurecem mais rápido mas vivem mais)
  • Já cachorros de raças grandes são o oposto, demorando mais tempo para atingir a maturidade (cerca de dois anos) e passam apenas mais alguns anos na vida adulta/velhice (cerca de 5 a 8 anos)
  • Cães sem raça definida, os famosos vira-latas, costumam viver cerca de 1,5 anos a mais que cães de raça.
  • Já para os gatinhos, a contagem da idade é feita de outra forma, pois os felinos tem um salto de desenvolvimento muito grande durante o primeiro ano de vida, que equivale a 15 anos humanos! Já no segundo ano, durante a juventude, ele já teria o equivalente a 24 anos.

Após os dois anos de idade, já na vida adulta, os felinos passam a ter um desenvolvimento mais lento, e considera-se que cada ano adicional equivale a cerca de 4 anos humanos. Portanto se seu gatinho tem 4 anos, o cálculo da idade humana dele seria de 32 anos!

Agora queremos saber: E se você fosse um pet, quantos anos caninos ou felinos você teria? Ficou curioso né? Por isso desenvolvemos uma calculadora que descobre quantos anos caninos ou felinos você teria hoje!

Para descobrir sua idade de pet, clique aqui e faça o teste!

Leia mais

Mitos e verdades sobre o uso de petiscos para melhora da saúde bucal

Muitas são as promessas feitas nas embalagens de petiscos, rações e outros produtos para pets sobre limpeza bucal e até controle de tártaro, mau hálito e muito mais, porém nem sempre todas essas promessa são verdadeiras, e por isso o Dr. Herbert Corrêa responde algumas perguntas que esclarecem um pouco mais sobre a real eficácia desses produtos:

Com tantos produtos cujo apelo é acabar com o mau hálito ou remover o tártaro ou manter a saúde bucal, quais critérios um tutor deve levar em consideração na escolha destes produtos?
Em primeiro lugar não se deve decidir pela compra de nenhum produto no balcão de uma loja ou no corredor de um petshop, ou até mesmo na internet. Existem muitos produtos que não cumprem aquilo que prometem! Então fique atento. A melhor maneira de escolher um produto é perguntando para um profissional veterinário especialista em saúde oral. Ele está familiarizado com os produtos que são sérios e a finalidade de cada produto. Este profissional irá primeiro avaliar o estado de saúde oral de pet e verificar se ele já precisa primeiro de um tratamento profissional para depois começar um programa de prevenção em casa através do uso de produtos. E por fim, este mesmo profissional deverá fazer o acompanhamento e verificar se o uso destes produtos está sendo eficiente na manutenção da saúde oral. Somente assim seu pet estará seguro.

Ossinhos e petiscos que prometem limpar o tártaro são confiáveis?
Não, pois essa não é a função destes produtos. A função destes produtos é diminuir o acúmulo de placa bacteriana, retardando o aparecimento da doença periodontal. Eles são indicados como coadjuvantes na manutenção da saúde oral, ou seja, para ser usado após uma limpeza completa realizada por um profissional.

Existe de fato algum alimento que evite o tártaro nos dentes dos animais?
Na realidade não. A escovação diária dos dentes ainda é a melhor forma de prevenir da formação do tártaro. Alimentos, snacks, petiscos e aditivos para serem colocados na água de beber tem uma ação limitada, ou seja, eles podem no máximo retardar o aparecimento do tártaro, mas nunca prevenir da mesma forma que a escovação, por isso não são substitutos

Brinquedos que dizem auxiliar na limpeza dos dentes são confiáveis?
Não exatamente, pois não existe um produto que entre no espaço entre a gengiva e o dente e remova as sujeiras ou o tártaro que já se acumulou abaixo da gengiva. Alguns produtos por seu formato e textura podem remover alguma quantidade de tártaro, mas jamais farão o papel do profissional veterinário especialista na limpeza dental.

 E os ossos naturais, eles limpam os dentes do cachorro?
Por sua dureza, ajudam na remoção de alguma quantidade de placa bacteriana e até de alguma quantidade de tártaro, mas não abaixo da linha da gengiva onde ocorre a doença periodontal. Além disso, exatamente por serem muito duros, podem quebrar os dentes, trazendo complicações como dor de dente, necessidade de tratamento de canal ou até extração do dente fraturado.

Existe algum órgão que regulamente a eficácia destes produtos que se dizem substitutos para limpeza bucal de cães e gatos?
Até o momento, não. O fabricante é o único que pode garantir a idoneidade de seus produtos. Algumas empresas são sérias e comprometidas com a saúde dos pets, enquanto outras são mais comprometidas com seus objetivos financeiros. E o cliente fica perdido em meio a tantas opções no mercado.
Esta preocupação ocorreu há cerca de duas décadas nos Estados Unidos. Então, especialistas, cientistas e pesquisadores juntamente com o colégio americano de odontologia veterinário se reuniram e fundaram o conselho veterinário de saúde oral (Veterinary oral health council – www.vohc.org), uma entidade idônea com prestígio mundial que estabelece critérios para a pesquisa da avaliação da eficácia dos produtos com o apelo de reduzir placas e cálculos bucais. Por sua vez, as empresas podem espontaneamente submeter as pesquisas de seus produtos para o VOHC, que avalia se estas pesquisas obedecem os critérios pré-estabelecidos e se os resultados são satisfatórios. Uma vez aprovados o VOHC confere um selo de aprovação para determinado produto.
É possivel conferir no site http://vohc.org/all_accepted_products.html todos os produtos com o selo de aprovação, pois alguns destes produtos já estão disponíveis no mercado brasileiro.

Após uma limpeza de tártaro ou tratamento periodontal, como posso prolongar os resultados, mantendo a saúde em dia?
Este é o momento ideal para usar produtos com a função de retardar o acúmulo da placa bacteriana. As rações, snacks, ossinhos e petiscos cujo formato e textura ajudam na remoção da placa poder ser usados como AUXILIADORES, nunca como substitutos.
Estes produtos podem receber a adição de substâncias que diminuem ou potencializem sua ação. Existem aditivos para serem colocados na água de beber com a função de reduzir o acúmulo de placa e há também alguns tipos de gel bucais com a mesma função de reduzir a placa, mas nada, absolutamente nada é capaz de substituir a escovação diária dos dentes.
Apenas cerca de 15% da população de cães e gatos mesmo não escovando os dentes ou tendo qualquer outra forma de cuidado odontológico não irão desenvolver a doença periodontal, pois são resistentes naturalmente.

Qual a forma mais eficaz de prolongar um tratamento periodontal?
A melhor forma ainda é a tradicional escovação diária dos dentes. Como ela não é uma realidade para a maior parte dos pets, então vale a pena lançar mão destes produtos citados como coadjuvantes na manutenção da saúde oral, e ninguém melhor que um dentista veterinário para acompanhar se o programa de prevenção está funcionando e quando será o momento onde será necessária uma limpeza dentária profissional. Nós do Odontovet recomendamos ao menos uma avaliação anual.
Porém, se notar a presença de mau hálito deve-se imediatamente procurar um profissional especializado.

 

 

Leia mais

5 dúvidas sobre a saúde dos cães braquicefálicos

Os cães braquicefálicos são aqueles com “nariz amassado”, o que confere a eles uma carinha achatada e considerada muito simpática, como os cães da raça Pug, Buldogues, e Pequinês. Por isso a Doutora Michele Venturini explica como acontece a respiração dos cães braquicefálicos, os problemas que esta condição traz a eles e como o tratamento pode mudar completamente a vida desses pets. 

  • Meu cachorro ronca e tem muita dificuldade de respirar, o que fazer?Um cachorro braquicefálico roncar é considerado quase que “normal”, no sentido que a maioria deles, devido à sua formação, roncam, porém isso não é o certo. Se o pet tem dificuldade em respirar também, é importante levá-lo ao médico veterinário para uma avaliação.
    A dificuldade para respirar pode ser devido ao fato desses pets terem a narina muito pequena, fechada (o que é comum nas raças braquicefálicas) e por isso fazem força para puxar o ar pelo nariz (muito semelhante ao que uma pessoa que tem rinite sente nesta época do ano, com o nariz sempre entupido, dificultando a respiração pelo mesmo e etc).
    Além disso, a formação do focinho deles (achatado) também ajuda para que a passagem do ar seja difícil, pois todas as estruturas internas do nariz estão  “amontoadas”. O ronco pode também ser devido ao palato mole do cão estar alongado e, assim, quando o ar passa, ele vibra e até pode obstruir a entrada do ar na traquéia.
  • Mas porque meu cachorro ronca muito?
    Estas características, narina estreita e nariz achatado, fazem com que o cão braquicefálico faça muita força para respirar causando uma pressão negativa na região do fundo da boca (orofaringe). Esta pressão negativa acaba interferindo no formato do palato mole que, com o tempo, vai se alongando. Quando isso acontece, os roncos e a dificuldade para respirar aumentam.
    Às vezes, o aumento do peso (obesidade) também contribui para os roncos aumentarem, pois a gordura se acumula por todo o corpo, incluindo a região da garganta, estreitando ainda mais as vias respiratórias.
  • Quais problemas de saúde podem acontecer por conta da má respiração?
    Nos cães braquicéfálicos, a má respiração pode levar a um quadro chamado de síndrome do braquicefálico, na qual o cão apresenta várias estruturas da garganta (orofaringe) alteradas anatomicamente dificultando ainda mais o problema respiratório. Tem animais que com apenas 8 ou 9 anos de idade, não conseguem comer direito pois ou eles mastigam a comida e engolem ou eles respiram.
    Além disso, a troca do calor corporal nos cães é feita pela boca (pois eles não transpiram como nós) e também pela cavidade nasal. Nos cães braquicefálicos, esta troca de calor para manter a temperatura corporal é muito prejudicada por eles quase não terem nariz. Inclusive, se eles fizerem exercício em dia quente, a temperatura deles pode aumentar muito (hipertermia), levando a morte.
  • A rinoplastia em cães é uma cirurgia de risco?
    Quando o cachorro tem a narina estreita (e isso é aparente desde filhote), o ideal é fazer a rinoplastia (uma cirurgia considerada pequena) para abrir a narina e facilitar a entrada do ar. Desta forma, ele não fará tanta força para respirar durante toda sua vida, diminuindo as chances de desenvolver a síndrome do braquicefálico. Quanto mais novo o cão fizer a rinoplastia, melhor será para ele.
    É um procedimento rápido e seguro que pode ser feito no filhote à partir dos 5 meses de idade. No mesmo dia do procedimento já percebemos a diferença na forma dele respirar, aparentando muito mais silencioso e tranquilo.
  • Quanto tempo leva para realizar a cirurgia? O meu pet precisa ser internado?
    Para fazer a rinoplastia, o cão precisa ser anestesiado e o procedimento não demora mais do que meia hora normalmente. O que é necessário ver é se o paciente, além de ter a narina estreita, se também já não tem o palato mole alongado. Se for o caso, o ideal é já operarmos as duas estruturas (narinas e palato) no mesmo momento. E o ideal é fazermos isso com o cão ainda bem jovem, pois quanto mais velho ele for, mais as estruturas poderão estar alteradas, e os resultados podem não ser tão bons quanto no tratamento preventivo (ainda filhote). O tempo de cirurgia vai depender do que será necessário fazer e de quais estruturas estão acometidas.
    Em um paciente de mais idade, no qual a síndrome já está instalada, é muito provável que após a cirurgia (que provavelmente vai envolver narina, palato mole alongado e outras estruturas), ele deva ficar internado pelas primeiras 24 horas. Agora, se fizermos o tratamento preventivo (em um cão filhote ou jovem), normalmente o procedimento é mais rápido e o paciente já vai para casa no mesmo dia.

 

 

 

 

Se seu pet é braquicefálico, marque agora mesmo uma consulta conosco através do Whatsapp clicando aqui.

É possível falar conosco também pelo email odontovet@odontovet.com. Estamos à disposição!

Leia mais

5 problemas bucais que mais afetam os pets

Na matéria produzida pelo site Clube para Cachorros, a Dra. Michele Venturini listou os 5 problemas bucais mais recorrentes em pets e explica em detalhes como cada um deles se manifesta.

Leia abaixo o texto da matéria publicado no site:

  1. Periodontite

Doença periodontal ou periodontite é a principal doença que pode comprometer os dentes e a boca dos cães. Segundo a veterinária dentista, aproximadamente 85% dos cães de três a cinco anos de idade já estão comprometidos com esse problema.

A periodontite surge através do acúmulo de placa bacteriana presente na boca do cachorro. Mesmo sendo uma característica fisiológica e normal, a placa pode aumentar se o tutor não realiza a higienização dos dentes do animal e então passa a ser um problema.

“Ela [a placa bacteriana] acaba se acumulando, se organizando, se calcificando (formando o tártaro) e se tornando agressiva para as estruturas dos dentes (gengiva, osso e ligamento que seguram o dente) e para o organismo”, ressalta Michele.

O primeiro sinal desse problema é o famoso “bafinho” nos cães. Nesse estágio é comum que o animal apresente apenas a gengivite, que é a inflamação na gengiva.

Com o passar do tempo, e sem o tratamento adequado, a doença avança. “Se não cuidarmos desta fase, a doença evolui para as estruturas mais internas (osso e ligamento) causando a destruição dos mesmos (periodontite). Os dentes ficam abalados (moles) e podem até cair sozinhos.”

Quando a doença periodontal já está muito avançada, os cães afetados podem demonstrar outros sinais de incômodo. Alguns passam a preferir rações mais umedecidas, outros deixam de roer ossos e há ainda os que passam a ficar mais quietos. Tudo isso, devido a dor que sentem.

“O ideal é não deixar a doença passar da gengivite pois, uma vez que ocorre a destruição dos tecidos mais internos, o processo é irreversível, sendo muito difícil voltar ao estado normal”, indica a médica veterinária.

  1. Fratura dos dentes

Existem diferentes formas dos cães fraturarem os dentes. Por exemplo, quando mordem ou roem objetos muito duros, estão expostos a esse tipo de problema dentário.

As fraturas dos dentes podem ocorrer também de forma acidental, quando cães brigam entre si. Outra forma desse incidente acontecer é quando cães ficam puxando grades ou portões.

“O melhor é sempre tratar assim que fraturou pois o dente quebrado e com o canal exposto, funciona como uma porta de entrada para as bactérias e um foco de inflamação que acaba comprometendo o resto do organismo”, orienta a dentista canina.

  1. Problema de dentes de leite (decíduos) persistentes

Um outro grave problema dentário em cães é a persistência de dentes decíduos. Essa situação é oriunda da não queda dos dentes de leite, os quais não abrem espaço para os dentes permanentes.

“Dois dentes não ocupam o mesmo espaço e se o dente de leite não for removido, o dente permanente pode se posicionar no local errado levando à problema de oclusão”, explica.

Para a cirurgiã dentista, raças como maltês, yorkshire, pinscher, spitz alemão anão e outras de porte pequeno, são as maiores vítimas desse problema.

Infelizmente, essa doença não pode ser prevenida. Contudo, assim que diagnosticada, deve ser tratada por um veterinário dentista. “Antigamente, se indicava esperar até um ano de idade para fazer a extração dos dentes decíduos, hoje o indicado é fazer antes para que o cão não tenha problemas de oclusão.”

  1. Tumores na boca

Devido a maior expectativa de vida dos cães, eles tendem a ter também uma incidência maior de tumores. Um deles é o tumor na boca, que segundo a Dra. Michele Venturini, surge com mais frequência em animais com idade avançada.

“Para os tumores, o quanto antes o mesmo for tratado, melhor para o cão. Assim, se começar a ter uma “bolinha” na boca que está crescendo, já é hora de fazer uma biópsia para saber o que é aquilo pois pode ser um tumor maligno”, relata a veterinária.

  1. Fraturas de mandíbula ou maxilar

Já as fraturas de mandíbula ou de maxilar são relacionadas à brigas, atropelamentos e até mesmo quedas. Para evitar tais situações, é importante que o dono cuide da segurança do animal.

Já as fraturas de mandíbula ou de maxilar são relacionadas à brigas, atropelamentos e até mesmo quedas. Para evitar tais situações, é importante que o dono cuide da segurança do animal.

Leia mais

Levar seu pet ao dentista veterinário é um ato de amor

Recentemente nossa dentista veterinária Doutora Michele Venturini deu uma excelente entrevista para o site Clube para Cachorros, reforçando mais uma vez que a saúde de todos os pets começa pela boca, e por isso é tão importante levá-los regularmente ao dentista veterinário.

Confira um trecho da matéria em que explica-se essa importância:

“Cuidar dos dentes dos cães é cuidar de sua saúde, não apenas oral, mas também geral. Doenças da boca, além de causar dor (que normalmente eles não demonstram) representam uma fonte de infecção e inflamação que compromete todo o organismo”, alerta a especialista em odontologia canina.

Assim, tanto o tratamento de problemas já evidentes como também a prevenção de outros, são medidas que devem ser tomadas pelos tutores.

Para esclarecer ainda mais sobre a importância da saúde bocal do cão, a dentista Michele explica sobre as principais doenças que afetam os dentes e a boca do cachorro. Além disso, a especialista indica qual a melhor saída para esses problemas.  Clique aqui para ler a matéria completa no site do Clube dos Cachorros.

Para tirar dúvidas ou marcar uma consulta para seu pet envie uma mensagem para nós no Whatsapp clicando aqui (ou no número: 11 99603-9047). É possível agendar também através do email odontovet@odontovet.com. 

 

Leia mais
Olá, podemos ajudar?
Powered by