Todas os posts na Categoria: Dicas de saúde

problemas bucais

6 modos de saber se seu pet pode estar com problemas bucais

Você sabe identificar se a boca do seu pet vai bem? Nosso médico veterinário Dr. Herbert Corrêa explica alguns sinais que ajudam na identificação de como vai a saúde bucal do seu pet.

  • Mau hálito: é um dos primeiros e o mais conhecido de todos os sinais. O tal do “bafinho” indica que existem bactérias causando problema na boca de seu pet.
  • Gengivas inflamadas (Gengivite): Na maioria dos cães e gatos a gengiva tem a coloração rósea. Se a gengiva estiver avermelhada e inchada, isto é sinal de inflamação, podendo haver até sangramento ao toque ou quando ele mastiga. Em alguns casos, a gengiva pode ser pigmentada (escura) ficando mais difícil identificar a inflamação.

    Imagem da cavidade oral de paciente felino (gato)

  • Tártaro: Os dentes precisam estar sempre branquinhos. Quando eles começam a ficar sujos (crostas amareladas e escurecidas) isto é tártaro. Neste caso, já é necessária uma limpeza profissional (tratamento periodontal) com um dentista-veterinário. Em alguns locais, este tratamento é chamado de limpeza de tártaro.
  • Dentes quebrados: Levam à dor e infecção quando há a exposição do canal (“nervo”) do dente, precisando ser tratados. Em geral, o tratamento recomendado é o tratamento de canal quando há exposição da polpa (“nervo do dente”) ou a aplicação de um selante Mesmo se não houve a exposição direta da polpa o dente deve ser protegido com a aplicação do selante e radiografado quando não expôs a polpa.

  • Dentes de leite que não caíram: Isto não é normal! Os dentes de leite devem ser extraídos o quanto antes. Quando eles não caem, os dentes permanentes nascem tortos prejudicando o encaixe normal dos dentes. A presença do dente de leite e do dente permanente juntos faz com que mais sujeira e placa bacteriana acumulem entre estes dentes levando ao aparecimento precoce da doença periodontal. Leia mais aqui.

    Boca de um filhote de cão de 5 meses onde nota-se que os incisivos inferiores já foram trocados. Os caninos inferiores de leite (a) ainda estão no lugar e os caninos permanentes (b) estão erupcionando fora de posição, para dentro da boca. Se não houver extração dos dentes de leite, os caninos permanentes continuarão a crescer e irão machucar o céu da boca.

  • Aumento de volumes, inchaços e caroços na cavidade oral: devem ser investigados através de biópsia, pois infelizmente, hoje os tumores de boca são bastante freqüentes (a boca é o 4º local onde mais aparecem tumores).

Perceba que não mencionamos aqui a dificuldade de se alimentar entre os principais sinais de problemas bucais em cães e gatos pois este não é um sinal relatado com frequência por tutores que procuram um serviço odontológico veterinário. Infelizmente muitos pets sofrem com dor sem apresentar sinais. Por isso é importante ficar atento sempre, e, na existência de um ou mais dos sinais relatados acima é importante agendar uma consulta com um dentista veterinário, mesmo que seu pet aparente estar bem.

Além disso, nós do Odontovet recomendamos a escovação diária dos dentes do seu pet como a melhor maneira de manter a saúde bucal e fazer pelo menos uma avaliação odontológica ao ano. Aprenda a realizar uma escovação ideal.

Para mais informações e tratamentos, marque uma consulta através do nosso WhatsApp, clicando aqui.

Leia mais
Cachorro de aparelho

Cachorro de aparelho? Tratamento ortodôntico em pets é mais que estética

Há algumas semanas a internet entrou em êxtase com as fotos de um cachorro de aparelho. O motivo da viralização da foto se deu ao fato de pets usando aparelho serem pouco divulgados, apesar de acontecerem com certa frequência. O tratamento ortodôntico em cães e gatos é realizado apenas com indicação para fins de saúde, e não estéticos, como pode ser o caso do uso em humanos.

As pessoas não costumam ver sempre imagens e casos de colocação de aparelho ortodôntico em cães ou gatos, e por conta disso, há algum tempo atrás fizemos uma postagem especial com perguntas e respostas sobre o tema.

A causa que leva muitos dos pets a usarem aparelho ortodôntico é mais comum do que se parece, pois alguns casos de má oclusão são devido ao atraso na queda dos dentes de leite (que ocorre até os seis meses), fazendo com que os permanentes nasçam de forma errada. Um reflexo desses dentes tortos é, além da perda de apetite, traumas na gengiva e bochecha, inflamações e afins. Se notar que os dentes de leite do seu pet ainda não caíram e os permanentes já estão nascendo, agende uma consulta conosco!

Além do problema citado não podemos esquecer que a idade do cão também determina o que deve ser feito e quais cuidados devem ser tomados. Dr. Herbert Correa, em entrevista para o blog Mais Bichos, do Jornal Correio Braziliense, explica que:

“Geralmente a orientação profissional ajuda no desenvolvimento de hábitos saudáveis, como a escovação diária dos dentes, que é muito importante para a manutenção da saúde oral”.

Ele pontua também que:

“Se um dente nascer errado ele pode causar sérios prejuízos à saúde. Caso o dente não nasça também é um problema que deve ser investigado”

Já em cães e gatos adultos, é necessário passar por consulta com o veterinário odontológico pelo menos uma vez ao ano e, caso seja necessário realizar procedimentos odontológicos, como a colocação de aparelho ortodôntico ou uma limpeza, o Dr. Herbert Correa frisa que o pet sempre deve ser sedado com anestesia geral, segundo recomendação das associações odontológicas veterinárias de todo mundo, como comentamos nesta postagem.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco e agende sua visita.

Leia mais

Nutrição a favor da saúde bucal do seu pet

Ainda que você e seu pet já estejam especialistas na higiene bucal diária, é importante saber que a nutrição do seu cão pode ajudar na higiene bucal dele.

A princípio, o tamanho e o formão do grão da ração do seu pet não são puramente estéticos, sendo moldados para auxiliar na limpeza dos dentes. Em rações de filhotes, por exemplo, os grãos são pequenos e de textura macia, consequentemente mais fácil para a mastigação.

Já em rações para cães adultos os grãos são mais firmes e a textura mais áspera, além de serem maiores, estimulando assim a mastigação e auxiliando na manutenção da higiene bucal. 

Indo além desses fatores, a formulação da alimentação dos cães pode ajudar ainda mais a manter a saúde bucal em dia. Rações que possuem agentes quelantes de cálcio incorporados aos grãos podem auxiliar o cálcio da saliva a se tornarem indisponíveis para formação de tártaro, reduzindo o risco de acúmulo de placas nos dentes.

Tem mais alguma dúvida? Agende uma consulta conosco agora mesmo!

Leia mais
Limpeza dentária

Limpeza dentária em cães e gatos precisa ser feita com anestesia?

Diante do surgimento de dúvidas quanto à limpeza dentária em cães e gatos sem o uso de anestesia, nós do Odontovet asseguramos que seguimos as normas internacionais que recebem o aval de especialistas e instituições, como o ADVC (Colégio Americano de Odontologia Veterinária) e da AAHA (Associação Americana de Hospitais Veterinários), que através de suas diretrizes e publicações reforçam que “a anestesia geral inalatória é necessária para uma completa avaliação e um tratamento apropriado dos pacientes odontológicos”. 

Limpar os dentes de um pet sem anestesia geral é considerado inaceitável e abaixo dos padrões de atendimento”, portanto a comunidade odontológica internacional é contrária à procedimentos odontológicos sem anestesia geral. 

“Em um procedimento de limpeza dentária profissional a sondagem periodontal, a radiologia intra-oral, a remoção de placas e tártaro acima e abaixo da linha da gengiva e o polimento dos dentes só podem ser realizados com responsabilidade com o paciente dormindo. Quando o  paciente está acordado, a limpeza, além de expô-lo ao estresse, será apenas um procedimento ‘estético’, passando uma falsa impressão que tudo ficou limpo, quando na verdade a saúde bucal (e geral) do paciente continua em risco” – afirma Dr. Herbert Correa.

 

“Nós compreendemos e respeitamos o medo que alguns clientes tem em relação à anestesia geral. E por isso levamos este assunto muito à sério. Porém, nós também levamos a sério a saúde de nossos pacientes. O objetivo de um tratamento odontológico não é estético, mas sim de devolver saúde e conforto aos pacientes, e isto não seria possível com o paciente acordado. Portanto, nossos pacientes passam por “check-ups” antes de qualquer procedimento e temos uma equipe de anestesistas comprometida com a segurança de cada paciente” –  complementa Dra. Michèle Venturini.

Agende agora uma consulta conosco e tire todas suas dúvidas quanto a tratamentos e anestesias!

Leia mais
Filhotes

Filhotes também precisam escovar os dentes?

A dúvida de quando iniciar a escovação nos pets é recorrente entre os tutores.

Quanto antes o processo de higiene bucal for iniciada, melhor. Ainda enquanto o pet é filhote já é importante inserir o hábito da escovação diária.

Apesar de não precisar de uma escovação aprofundada, já que eles ainda irão perder os “dentes de leite”, o processo de escovação ajuda o filhote a se acostumar desde cedo com procedimento e também com o manuseio da boca, facilitando, principalmente, as consultas no dentista veterinário.

A principal recomendação é começar aos poucos, apenas usando o dedo e a pasta especial para pets, associando sempre a petiscos e reforços positivos, como um momento alegre. Além de acostumá-lo a deixar mexer na boquinha, a escovação desde cedo evita o desenvolvimento de placas e o acúmulo de tártaro, ainda que ele seja menor.

Incorpore essa atitude desde cedo na rotina do seu filhote para que, quando adulto, seu pet tenha mais qualidade de vida e saúde!

Leia mais
Estresse

Consulta Sem Estresse

Muitos animais podem se assustar e reagir mal com as visitas ao veterinário por não serem inseridos corretamente ao ambiente da clínica, o que pode causar grandes estresse ao pet.

Alguns dos motivos mais comuns são associação da clínica ou do veterinário com dor, trato inadequado do tutor com o pet desde as primeiras idas ao veterinário e, em alguns casos, até o cherio do consultório pode despertar medo nos animais.

O ideal é que a tolerância ao manejo entre o veterinário e o animal seja desenvolvida de forma suave desde filhote, para acostumá-lo a ser tocado e inspecionado. Além disso, em casa é possível acostumar os pets ao toce, com exercícios que consistem basicamente em tocar orelhas, patas, focinho, pele, cauda e também a boca, de forma lúdica e no contexto das brincadeiras com o pet.

Já quanto a primeira visita à uma clínica veterinária, caso o animal seja muito desconfiado, o ideal é levá-lo como num passeio, antes da primeira consulta, para que haja familiarização do pet com o local e com o médico veterinário. Nas consultas, se o animal apresentar um comportamento aversivo, o tutor não deve reforçar este comportamento com consolos ou broncas. É fundamental que o tutor se mantenha em uma postura tranquila, como se esse momento não merecesse nenhuma reação, assim os animais desenvolvem comportamentos mais confiantes e receptivos durante as consultas e ao trato do veterinário.

Leia mais
dias quentes

6 cuidados com pets em dias quentes

O Verão ainda não chegou mas os dias quentes já estão mais frequentes, então trouxemos algumas dicas para que seu amigão não sofra com as altas temperaturas!


 

Mantenha água fresca sempre disponível: Os pets, principalmente os cães, passam a beber muito mais água nesse período, então é importante manter os bebedouros sempre cheios de água fresca e longe do sol.

Escolha bem a hora do passeio: Horários de sol alto e calor intenso prejudicam a saúde do animal, além da possibilidade de queimadura das patas ao pisar em pisos muito quentes. Leve seu amigão pela manhã bem cedo ou no final da tarde, e dê preferência para passeios em gramados.

Ofereça uma sombra ao seu pet: Nunca deixe seu amigo sem um local aberto e com sombra para se refrescar. A exposição ao sol e ao calor intenso, como dentro da casinha, pode ser fatal

Atenção aos pet exóticos! Roedores, como chinchilas, também sentem muito calor. Mantenha a gaiola do seu pet em locais arejados ou com ventilação boa em dias quentes

Cuidado com piscinas: Algumas raças de cães adoram água e podem pular em piscinas para se refrescar, causando afogamentos. Se for deixar seu peludo nadar, esteja sempre por perto!

Atenção aos sinais de hipertermia (aumento da temperatura corporal) no seu pet: Ao perceber que seu animalzinho está muito ofegante, apresentando sinais de desmaio ou vomitando, dê um banho frio ou molhe seu corpo para refrescá-lo e baixar sua temperatura corporal. Fique atento!


 

Seguir essas dicas pode ajudar seu amigão a ter um verão mais tranquilo e feliz!

Leia mais
pets exóticos

Conheça mais sobre a dentição dos pets exóticos

Atualizado em 26 de Julho de 2018

Atualmente a procura por pets exóticos tem crescido muito. O Odontovet está preparado para atender ferrets (furão), coelhos, chinchilas, porquinhos-da-Índia, macacos e outros pequenos roedores.
E no caso dos pets exóticos os problemas bucais geralmente se dão porque a dentição deles é adaptada à vida na natureza, portanto, quando estão em ambiente doméstico e é oferecida uma alimentação inadequada, problemas podem surgir.

Confira abaixo algumas particularidades de cada espécie.

Leia mais
Anorexia em gatos

Anorexia em gatos: porque meu pet não está comendo?

A anorexia é, por definição, a perda ou ausência de apetite. Em humanos, não deve ser confundida com a anorexia nervosa que é o transtorno alimentar em que ocorre recusa constante de alimentos mesmo quando se sente fome. Nos gatos, este tipo de anorexia não acontece. Assim, quando um felino desenvolve anorexia e deixa de comer é porque alguma coisa está errada. Então é hora de levá-lo ao médico veterinário para uma avaliação. Antes disso, é importante diferenciar e perceber se o gato não está comendo porque ele não tem vontade de comer ou se é porque ele não consegue comer.

Leia mais
dor de dente

Como saber se o pet está com dor de dente?

Saber identificar alguns dos sinais de dor de dente e problemas na boca do pet é extremamente importante para evitar que seu companheiro sofra sem necessidade e, em caso de problemas, o tratamento seja iniciado o quanto antes.

Você sabia que 85% do cães adultos com idade entre 3 a 5 anos já possuem algum grau de problemas na gengiva? Na boca dos cães (e na nossa também) existem muitas bactérias. A mistura de restos alimentares, células mortas e bactérias forma uma placa sobre os dentes, que chamamos de placa bacteriana.

Sabe aquela sensação de dente rugoso que temos quando ficamos o dia todo sem escovar o dente? Pois bem, esta rugosidade é devida à placa bacteriana que se adere no dente. Como o ph da saliva dos cães é ácido, esta placa acaba se calcificando e formando o tártaro (uma crosta grossa, de coloração marrom que vemos sobre os dentes). Sobre este tártaro, mais bactérias se acumulam. Então, para se defender, o organismo manda células de combate na região da gengiva – afinal bactéria é sinônimo de infecção e esta deve ser combatida. Começa então a defesa: a inflamação que sem cuidados pode avançar e destruir os tecidos e o osso, levando à queda dos dentes. Porém até o dente cair todo o processo causa muita dor!

Confira alguns sinais e o que fazer ao reconhecer alguns deles.

Leia mais
Olá, podemos ajudar?
Powered by